terça-feira, 18 de março de 2014

ABATE

Preparativos para o abate
Antes de se proceder ao abate recomenda-se não dar comida aos patos pelo menos durante seis horas, mas é preciso dar-lhes de beber. Ao cabo de seis horas o estômago e os intestinos das aves estarão praticamente vazios o que facilitará a limpeza das suas carcaças. Caso o conteúdo dos intestinos entre em contacto com a carne tal pode estragar o gosto e a sua qualidade.
O abate
Caso seja feito de forma correta, a melhor e a mais rápida maneira de abater os patos é de cortar (com uma faca ou um machado) a garganta da ave. Se a ave for abatida de acordo com a lei muçulmana, o pescoço da ave não deverá ser quebrado, mas a cabeça tem que ser degolada, com um único golpe. Em seguida deixa-se escoar o sangue do animal.
Qualquer que seja o método de abate utilizado, deverá deixar escoar o sangue do corpo, com o objetivo de assegurar que a carne tem boa qualidade. Para fazer isto, bastará segurar o animal pelas patas até que o sangue se escoe todo. Também existem dispositivos especiais para este fim, nos quais se coloca os patos pendurados com a cabeça para baixo.
Uma vez que o sangue todo está coado do corpo, pode-se depenar o pato, operação que é mais fácil de realizar quando o corpo ainda está quente. Para facilitar a tarefa de depenar o pato também se pode mergulhar a sua carcaça em água quente (a uma temperatura de, mais ou menos, 55 °C) durante, aproximadamente, dois minutos. Comece por retirar as penas grandes das asas, depois do dorso, os lados e o peito. Por fim as penas das pernas, do pescoço e do resto das asas.
Poderá esvaziar completamente o conteúdo dos intestinos, apoiando uma mão sobre a barriga do animal. Para que a carcaça tenha um aspecto limpo e esteja pronta para ser vendida, pode cortar a cabeça e retirar os miúdos, caso o cliente assim prefira. Se retira os miúdos, tenha cuidado para não rebentar a vesícula biliar (fel), pois o seu conteúdo irá estragar o gosto da carne
Os patos também produzem estrume. Este pode servir para fertilizar os campos, tal como a bosta das vacas. Quando se procede à limpeza dos abrigos pode empilhar as camas e os seus excrementos para fabricar composto, que serve igualmente de fertilizante.
Os excrementos dos patos poderão ser utilizados diretamente como estrume, por exemplo num sistema de produção integrado com piscicultura ou orizicultura
Manutenção de registros
Vale a pena manter um registro do que acontece na sua exploração agrícola. Nem toda a gente acha fácil ou útil este trabalho, sendo muitas das vezes encarado como uma corvéia. Caso se trate de um pequeno bando de aves e de uma atividade a curto prazo, é possível recordar a informação mais importante. No entanto se a intenção é de criar patos durante muito tempo e se quiser levar a cabo uma exploração comercial, é necessário manter um registro do que se passa.
Dependendo do tipo de exploração que leva a cabo, é bom manter registro dos seguintes dados:
* Número de ovos postos por dia
* Quantidade de comida distribuída cada dia
* Custos da alimentação e cuidados sanitários
* Investimento realizado na construção da habitação
* Quais os patos que são bons reprodutores e os que não o são
* Número de ovos incubados e a data que os pôs a incubar
* Quantos ovos eclodiram
*  Número de patinhos que sobrevivem e números dos que morreram
Esta lista não é exaustiva nem compulsiva. Cabe a cada um decidir sobre que informação quer manter um registro, dependendo do tipo de exploração comercial que realiza.
A informação recolhida pode ajudar a tomar decisões sobre a gestão ou a ajudar a encontrar uma solução para um problema. Por exemplo:
*  Quando sabe a data que pôs os seus ovos a incubar, poderá calcular a data em que os patinhos nascerão. Estará, portanto, preparado para tomar os cuidados necessários com as aves recém-nascidas.
*  Pode calcular quando é necessário substituir os patos que atingem o fim do seu período reprodutivo.
* Quando a reprodução parece decrescer durante um determinado período, poderá consultar os seus registros concernentes ao mesmo período num ano precedente para ver se tal era o caso. Caso se note uma diminuição da produção, poderá começar a procurar uma causa para este declínio na produção e, possivelmente, encontrar uma solução para o problema.
* Pode acontecer que os seus patos pareçam, durante um certo tempo menos saudável que o usual, tenham menos peso ou cresçam mais lentamente do que de costume. À primeira vista poderá parecer que os patos estão doentes. Antes de consultar um veterinário poderá verificar, primeiramente, se está a alimentar os patos com menos quantidade do que anteriormente.
Caso os patos, depois de lhe ter ser sido dada mais comida, pareçam, imediatamente, mais saudáveis, pode ver que eles não estavam doentes, mas que apenas necessitavam de um pouco mais de comida.
*  Também é recomendável manter registros para os patos de carne. Se mantiver um registro no que concerne ao peso (p.e. semanal) pode se ver rapidamente se os seus patos estão a desenvolver-se bem.
*  Mantendo um registro de todos os custos incorridos, poderá calcular o preço de custos dos seus produtos e, dessa maneira, verificar se a exploração é ou não rentável.
Para manter um tal registro é suficiente escrever diariamente, num caderno escolar ou bloco de notas, tudo o que foi realizado. Se pretende ser mais acurado, poderá fazer listas segundo tópicos. Mantenha o seu registro da forma que para si seja mais fácil de utilizar e encontrar as informações de que necessita.
O cálculo do preço de custo
A informação referente aos custos realizados pode ser utilizada para calcular o preço de custo dos produtos dos seus patos. Uma vez feitos os cálculos sobre os preços de custo poderá compará-los com o preço obtido no mercado. Desse modo poderá decidir se criar patos é uma atividade rentável. É preciso ter em conta que o seu preço de custo deverá ser mais baixo que o preço de mercado, caso queira ganhar alguma coisa!
A resenha de dados que a seguir apresentamos mostra a informação que necessita de recolher para calcular o preço de custo:
Custos variáveis Custos fixos
Compra dos patinhos Habitação
Custos de alimentação Equipamento
Gasolina / eletricidade
Cuidados sanitários
Outros (p.e. reparação da capoeira)
Os custos de mão-de-obra não se encontram incluídos mas os lucros obtidos a partir da atividade de criação de patos deverão ser suficiente para o tempo que investiu nela. Claro que existe uma diferença significativa caso a criação de patos constitua a sua principal fonte de rendimentos ou se trata de uma atividade lateral.
Custos variáveis e custos fixos
A divisão que foi feita entre custos variáveis e fixos é uma técnica contabilística. Esta distinção é geralmente efetuada quando se procede a uma contabilidade ou quando a administração da exploração agrícola se torna mais complexa.
Custos variáveis
Custos variáveis são os custos efetuados com as atividades quotidianas da exploração agrícola. Mudam quando a dimensão da produção muda ou quando as condições de produção se alteram.
Os custos variáveis são: custos de alimentação; – medicamentos; compra de novos patinhos, energia, etc. Por exemplo: os custos de alimentação duplicarão se criar 100 patos em vez de 50.
Custos fixos
Os custos fixos são os que não dependem diretamente das atividades de produção. Os custos fixos são, geralmente, os custos de investimento em relação às capoeiras e ao equipamento. Por exemplo: os custos em relação à capoeira serão praticamente os mesmos quer crie 50 ou 100 patos. Os custos fixos são realizados apenas uma vez durante um período mais longo. O investimento em relação a uma capoeira é feito por um período de 5 ou até mesmo 10 anos.
As reparações das capoeiras são custos variáveis: os custos de reparação serão mais elevados caso a capoeira seja usada mais intensamente.
Quando se calcula o preço de custo, calculam-se em parte os custos fixos – os custos de depreciação – em função do número de anos que o investimento deverá durar. Caso tenha recorrido a um empréstimo a juros, as taxas de juro também têm que ser tomadas em consideração.
Caso apenas pretenda ter uma simples visão de conjunto dos custos e não tenha efetuado investimentos de grande monta, não será necessário fazer uma distinção entre custos fixos e custos variáveis, basta registrar todos os custos efetuados e adicioná-los custo
Para evitar confusão tomamos um tipo de dinheiro fictício : D. 1D significa uma unidade de dinheiro.
Os preços utilizados no exemplo serão diferentes do preços praticados na sua área, o que quer dizer que os números que obterá nos seus cálculos também serão diferentes daqueles apresentados nos exemplos.
O exemplo apresentado é muito simples, pretendemos dar uma idéia de como se calculam os preços de custo.
No exemplo que a seguir apresentamos, os cálculos foram feitos para um período de postura na sua íntegra. A pata começa a pôr ovos com a idade de 5 meses e continua a postura até que tenha 18 meses (um ano e meio), o que quer dizer que o período de postura totaliza 8 meses, ou seja 56 semanas.
Custos variáveis
Compra de patinhos 5D por patinho
Alimentação
Eletricidade
Medicamentos ou cuidados veterinários
Camas
Transporte para o mercado
Sub total

500
1560
15
30
40
35
2280
custos fixos
construção da habitação, are circundante ,bacia com água

3000

A duração da capoeira foi prevista para 5 anos, o que significa que deverá recuperar 600 D por ano, para ser capaz de indenizar o investimento que foi realizado. O período de criação dos patos é de 18 meses, o que quer dizer que durante este período deverá ser capaz de recuperar 900 D (por motivos de simplificação, não tomamos em conta as taxas de juro).
Os custos totais efetuados no decorrer deste período de postura são, pois, de:
2280 + 900 D = 3 180 D
Produção
Durante este período de postura a produção total de ovos perfez os 3850. Também se venderá a carne (e, possivelmente, o estrume). No caso das patas poedeiras a carne constitui, de fato, um subproduto.
Neste exemplo venderá 70 patos (alguns morreram e outros foram utilizados para o seu próprio consumo).
O rendimento proveniente da carne é de 18 D por pato.
Cálculo do preço de um ovo
Vendas da carne: 70 X 18 1 260 D
Para calcular o preço de um ovo:
Custos efetuados: 3 180 D
Rendimento proveniente da venda da carne: 1 260 D
Custos líquidos: 1 920 D
Preço de custo de um ovo: 1 920 / 3850 = 0,50 D
É evidente que também se pode fazer o cálculo no sentido inverso.
Caso a venda dos ovos se revista de menos importância que a da carne, nesse caso subtrai-se o rendimento obtido pela venda dos ovos aos custos totais. Os restantes custos líquidos totais deverão ser recuperados através da venda da carne de pato.
Caso o seu sistema de criação de patos seja contínuo, quer dizer, caso crie patos de diversas idades, conjuntamente sobre a manutenção do bando), poderá calcular o preço de custo por ovo, durante um determinado período.
No fim de um período (uma semana ou um mês) calculam-se todos os custos efetuados e os rendimentos obtidos. Isto permite verificar se consegue fazer lucro ou se houve prejuízo.
Se comprou uma quantidade muito grande de comida para alimentar os patos durante um período mais longo, é preciso ter atenção quando calcular o preço de custo.
Se o preço da alimentação tiver subido depois de ter efetuado a compra da alimentação, terá que usar o preço atual, mais elevado, para fazer os seus cálculos. Será necessário de novo efetuar mais compras das rações alimentares a um preço superior e ganhar, desde esta altura, o dinheiro necessário para tal.
Análise da exploração durante vários períodos de criação
Neste exemplo apresentamos um esquema de produção de uma exploração agrícola numa região em que há duas estações chuvosas num ano.
A primeira estação seca, de Novembro a fins de Janeiro, é um pouco mais longa que a segunda, em Maio e Junho.
A estação seca mais longa também é a mais severa das duas. Tal fato também se reflete no número de ovos postos cada dia nestas duas estações.
Exemplo 1
Ao compararmos os valores de produção diária  de Janeiro nos anos 1, 2 e 3 podemos ver que a estação seca foi mais seca no ano 2 que no ano 1.
No ano 2, apenas foram postos, em média, 4 ovos por dia, enquanto no ano 1 foram postos 8 ovos por dia e 7 por dia no ano 3.
A partir destes números poderá constatar-se uma diminuição na produção de ovos em Janeiro do ano 2, que se podem comparar com os números de Janeiro do ano 1. Um valor de 4 ovos é bastante inferior mas nesse caso não se pode fazer nada para melhorar a situação, pois é impossível controlar o tempo.
Exemplo 2
No ano 3 no início do mês do Março não existia nada fora de comum para ver nesses números. Não obstante, aproximadamente a meados do mês, as patas começaram a pôr menos ovos. Cerca de finais do mês os números médios diários  eram inferiores aos dos dois anos precedentes, caso se comparem os dados de produção. Nessa altura, se atentar cuidadosamente qual é a causa desse decréscimo na produção de ovos, poderá constatar que a ração que estava a utilizar para os patos se tornou bolorenta. Tal significa que a qualidade da comida diminuiu e que as patas puseram menos ovos.
Estes exemplos evidenciam como utilizar um registro bem mantido e atualizado, para ajudar a verificar rapidamente se a produção está a decorrer segundo o previsto. Após se manter registros durante alguns anos poderá começar a prever quantos ovos os seus patos serão capazes de produzir.
 Análise da produção de ovos (de um bando de 20 patas)
produçao
estaçao seca
estaçao chuvosa
estaçao seca
estaçao chuvosa
severa
curta
suave
longa
nov
dez
jan
fer
mar
abril
maio
jun
jul
ago
set
out
ano 1
por dia
16
10
8
10
16
16
16
14
15
16
17
17
por mês
480
310
480
280
496
480
496
420
450
496
510
527
ano 2
por dia
16
10
4
10
16
16
16
14
16
17
17
17
por mês
480
300
124
280
496
510
496
420
496
527
510
527
ano 3
por dia
15
10
7
11
12
16
16
13
15
16
17
17
por mês
465
300
217
308
372
480
496
390
465
496
510
527